Cai líder de quadrilha responsável por  ataques a bancos e morte de jovem

20170411100920_IMG_0649

Grupo, conhecido por agir com extrema violência, teria atacado agências bancárias em Cavalcante, Mara Rosa e Santa Terezinha de Goiás, além de ter assaltado um carro-forte em Campinaçu. Outros integrantes da quadrilha já estão presos desde o ano passado

A Polícia Civil, por meio do Grupo Antirroubo a Bancos (GAB), apresentou nesta terça-feira (11/04), Daniel Xavier da Silva, líder de uma associação criminosa suspeita de explodir agências bancárias. O grupo também é apontado como responsável pela morte da assessora Vivianny Costa Ferreira, de 27 anos, atingida durante troca de tiros em um dos ataques, em São Miguel do Araguaia, em janeiro de 2016.

O homem foi preso em um apartamento de luxo ena orla de João Pessoa, na Paraíba, onde morava. A ação faz parte da Operação Proa Norte, resultado de mais de um ano de apurações. Outros seis suspeitos estão presos desde o ano passado, no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia.

De acordo com as investigações, o grupo também é responsável pelos ataques a bancos em Cavalcante, Mara Rosa e Santa Terezinha de Goiás, além do assalto a um carro-forte, em novembro do ano passado, próximo a Campinaçu. A quadrilha também é suspeita de roubar explosivos de uma mineradora em Barro Alto, utilizados em grande parte dos ataques em agências bancárias.

Segundo o delegado Alex Vasconcelos, não restam dúvidas de que os crimes foram cometidos pelo grupo. “Era uma organização criminosa muito estruturada, que atuava com armamento de guerra”, declarou. Conforme explicou o delegado, Daniel ostentava uma vida de luxo, morando em frente à praia, em um apartamento com vista para o mar.

A quadrilha agia com extrema violência contra as vítimas. “Gostavam de fazer um verdadeiro terror nas cidades”, afirmou o delegado. Além de Daniel, estão detidos Wilbon Desiderio de Sousa, Welles Desiderio de Sousa, Lucas Alcântara Santos de Souza, Azenilto José da Costa, Rafael Marcelo de Souza e Hugo Sérgio Borges. Todos foram indiciados por associação criminosa, latrocínio consumado, latrocínio tentado, roubo majorado pelo emprego de arma, concurso de pessoas e restrição da liberdade.

Combate ao crime

De acordo com o delegado Alex Vasconcelos, esse é um tipo de crime que tem apresentado queda considerável em Goiás. “Investimentos realizados pelo Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP), em inteligência e aumento de pessoal contribuem bastante para combater os ataques a bancos”, avaliou.

Vale lembrar que o GAB é referência no Brasil em técnicas de investigações de assaltos e danos a instituições bancárias. O titular, Alex Vasconcelos, integra a Comissão Técnica Nacional que prepara o Manual de Investigações de Roubos a Bancos no Brasil.

FOTOS: JOTA EURÍPEDES

Compartilhar: